EIC
Capotao

Pesquisar



23 de novembro de 2021

Do SINSP.

A governadora do Rio Grande do Norte, Fátima Bezerra, foi às redes sociais para demonstrar sua alegria em ter assinado o projeto de recomposição salarial dos profissionais da saúde e disse ter sido “fruto de um diálogo amplo”, mas essa postura é bem seletiva, pois ao SINSP o governo afirmou que estava junto ao sindicato para “informar e não dialogar”, e encerrou a mesa de negociação salarial.

Não compreendemos a seletividade do governo para negociar o reajuste salarial. É extremamente louvável valorizar os servidores de todo e qualquer órgão: o profissional da saúde, da segurança, da educação, etc. mas por que os servidores da administração direta são esquecidos na mesa de negociação? O serviço público é único, a valorização tem que existir para todos.

A governadora Fátima Bezerra também afirmou está trabalhando por um RN que valoriza todos os profissionais que compõe o funcionalismo público do Estado, mas que valorização é essa que não chega a camada mais humilde entre toda a categoria?

Os servidores da administração direta são a base do funcionalismo público do Estado. Sem eles nada funciona no serviço público. A escola não abre as portas sem um vigia, alguém para servir a merenda e pessoas para atuar na área administrativa. Nenhum órgão vai seguir com seus processos se um servidor da administração direta não estiver ali para dar prosseguimento. A folha de pagamento não vai sairia do canto. Nenhum órgão funcionaria.

Durante a reunião de negociação com o governo, o controlador Pedro Lopes chegou a afirmar que o aumento de 4,5% já estava muito bom para os servidores mais humildes, mas esquece que só no governo Fátima Bezerra as perdas dos servidores chega a 27%, e desde os último reajuste já soma quase 90%, de acordo com o DIEESE.

Na negociação, também foi dito que o Estado quebraria caso desse reajuste para os mais pobres, e se colocou como exemplo gestões passadas. Mas, na verdade, nem aqui nem em qualquer outro estado o ato de distribuir recursos com reajuste salarial foi causador de “quebra de estado”. A verdade é exatamente inversa, pois o aumento faz com que mais dinheiro trafegue em toda a comunidade, gerando bem estar social e riqueza a todos.

Exigimos o mesmo respeito e valorização que todos merecem ter, governadora Fátima Bezerra!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blog do Capote - Rio Grande do Norte - Todos os Direitos Reservados.